24 de fevereiro de 2003

fdx
(será que aqui se podem escrever as asneiras por extenso?)

que conheces tu de mim, que pretensões pretendes tu tirar de umas quantas horas que passas comigo durante o mês?

as palavras que.se.pegam.umas.às.outras,sem.necessidade.de.espaços.entre.elas.que.tentas,noite.após.noite,sussurrar-me.ao.ouvido não são suficientes para que penses ter qualquer tipo de autoridade sobre aquilo que penso/sinto/faço. não te d� autoridade para me censurares e pensares que me conheces desde que nasci. não conheces. nem tu nem ninguém, que a minha vida não tem raizes em parte alguma.

para ti:
(com quem eu tenho sonhado, noites e noites a fio,
sem que to possa dizer,
porque nem imaginas que te penso,
quanto mais que te sonho noites e noites a fio...)

um segredo que encontrei no fundo da gaveta que tinha as fotografias antigas do pôr do sol:


Novamente a areia,
Novamente o mar,
Novamente a praia...
_____________E, quando olhei para trás,
_____________não vi as minhas pegadas.
___________________________________14012001


(acho que me esqueci que, nesse dia, tinha voado...)

Sem comentários: