2 de junho de 2003

Adriana Calcanhotto
Cantada (depois de ter voc�)

Depois de ter voc�
pra qu� querer saber
que horas s�o?

se � noite ou faz calor
se estamos no ver�o
se o sol vir� ou n�o
ou pra que � que serve uma can��o
como essa?

Depois de ter voc�
Poetas para qu�?
Os deuses, as d�vidas?
Pra qu� amendoeiras pelas ruas?
Para que servem as ruas
Depois de ter voc�?


fim de semana preenchido. ruas molhadas no domingo, feira do livro aberta e eu ainda n�o a visitei... fim de semana preenchido, mudan�a de casa, habituar-me aos corredores, ao quarto, � cama, aos barulhos do pr�dio, da casa, da rua, ter experi�ncias paranormais (sim, � verdade, vi um vulto desenhado a electricidade!)... ou tomar caf� contigo, abrir o jornal, ouvir-te dizer que h� algu�m a ganhar contornos de maior import�ncia na tua vida, olhar para o mar, tirarmos fotografias, apitarmos aos pescadores, assustarmos os peixes, cumprimentar desconhecidos na rua, rir muito e ouvir-te dizer que... "seria t�o f�cil termos uma rela��o"... ouvir-te enumerar as raz�es do nosso entendimento e rir-me da sugest�o. n�o recus�-la mas rir-me dela, como se estivesse h� j� tanto tempo � espera que n�o acreditasse, agora que a ouvia... e logo esquec�-la. eu e tu, a esquecer as palavras proferidas, as sugest�es hipot�ticas de uma rela��o... fim de semana preenchido... n�o me lembro h� quanto tempo n�o pass�vamos tanto tempo a ver livros, a almo�ar, a jantar, a sair � noite, a dormir, a chatearmo-nos... a termos ci�mes e a rir das satisfa��es....

estou doente.

e esta afirma��o nada tem de metaf�rico ou metaf�sico. � real. estou doente e s� me apercebi este fim de semana (v� bem a coincid�ncia!!) e vou agora ao m�dico que n aguento mais... mais logo te ligarei... ou talvez n�o, j� te escrevi demasiado, no fim do dia de ontem, quando regressavas a casa, e antes mesmo de te pedir desculpas por ter estado insuport�vel todo o fim de semana... e sei que tenho de te deixar descansar durante uns tempos, para n�o pensar nessa hip�tese e acordar de manh� com as l�grimas a escorrer pelo rosto por ter sonhos de beleza insuport�vel, de beleza extrema como s� o mundo, paradigm�ticamente, me mostra...

Sem comentários: