14 de agosto de 2003

bolas, acho que estou doente...

mensagens tuas.
pequenas frases que me perguntam se estou bem, se me vês esta noite.
já sei a resposta. e até tu a sabes.
não.

sim, sei onde te encontrar esta noite, se quiser. não é que possa mas, mesmo que pudesse, não sei se quereria encontrar-te. embora faça planos para te encontrar daqui a uns dias, planos que tu desconheces, não sei se será indicado para o mal do qual sofro.

não me fez sorrir. o teu nome no visor pequeno do telemóvel. não me fez sorrir, não me acelerou a pulsação. preocupante? talvez seja um indício... talvez não. tenho medo de te rever. de sentir o que senti quando te vi, depois de uma breve ausência. o coração batendo mais forte, a tua pele mais morena. o desejo de te desenhar... talvez seja melhor esquecermos-nos um pouco...

luzes fortes, cores quentes, um pouco de calor nocturno, umas gargalhadas com vontade, piadas e cumplicidades. vamos rebobinar esta cassete?