12 de agosto de 2003

cai. de olhos postos no céu, cai.

eu já sabia, já o pressentia antes de o saber.

e agora estragámos tudo. a cumplicidade nunca será a mesma. danifiquei aquilo que tinha ficado de nós. há coisas que o tempo não apaga. há palavras que se inscrevem em nós. e não, não me lembrei de me apaixonar por ti ao fim de ano e meio. aconteceu. contra vontade. porque tu não estás só. porque eu e tu somos um dos mais bem guardados segredos da minha vida. porque, como todos aqueles que se aproximam de mim, partes. e eu vejo-te partir. ainda que te diga que ainda te escrevo que te sei de cor, que te sinto à flor da pele. mas não valerá a pena dizer-te tais palavras. as minhas dores, que te incomodam, são apenas minhas, são problemas com os quais tenho de lidar. tu não.

não me acreditaste quando te disse "estou a apaixnoar-me por ti". não faz mal. continua a não acreditar. pode ser que assim os estragos sejam menores e tu não dás conta dos problemas que tenho a resolver....