13 de agosto de 2003

morreu o alex.

não vou mentir: não era suficientemente próximo para que eu sinta a sua falta imensamente no meu dia-a-dia. mas não era suficientemente afastado para ficar indiferente.
com ele ficam algumas das boas recordações de longas caminhadas, de conversas tolas e de sorrisos. lembro o sorriso e a delicadeza do alex.


o alex morreu em espanha.
já não via o alex há muito tempo.
o alex morreu a trabalhar...
o alex não teve culpa.

não quero falar mais. tenho pensado demasiado em morte este fim de semana. e agora o alex morre.