13 de novembro de 2003

há coisas que nunca se dizem. há palavras que não se devem proferir em caso algum. por muita sinceridade e por muitas verdades que encerrem...
há palavras que nos ferem (tantas vezes mortalmente).



e há coisas que se desculpam.
mas que nunca se esquecem. ficam. ficam sempre.
no lugar mais remoto da memória. aquele lugar ao qual só temos acesso quando essas mesmas palavras nos ferem no escuro que há do lado de dentro dos olhos.


por isso defendo o pudor das palavras.


abaixo a promiscuidade de que tudo deve ser dito e confessado.