20 de novembro de 2003




há coisas que sabemos intrinsecamente. e há coisas que nem intrínsecamente admitimos em voz alta.
infelizmente para nós (digo eu), cometi o erro (será?) de dizer em voz alta aquilo que sabíamos. intrínsecamente.



e a maior razão pela qual me entristeço, para além da tua partida, para além das tuas palavras que cortam por baixo da pele - derramamentos internos que não estancam com os primeiros raios de sol - são as minhas dores - traumatismos internos, interiores - que me causam maiores dores... 


é como se diz "the first cut is the deepest". e tenho pensado tanto na tua história cada vez que ouço esta frase musicada.
e tenho pensado no esforço a que te tens submetido para gostares (mais) de mim...


não vale a pena: tenho apenas estofo para ser a amiga de que precisas. não a amante.
nem a tua e, parece-me, nem a de ninguém...



há coisas que não se deveriam dizer...