15 de janeiro de 2004





pisar....

o chão que pisas. diferente do meu.

diferente do meu quer estejas a um país de distância, quer estejas a um oceano de distância. quer estejas a um continente de distância. o teu chão é diferente do meu. facto consumado.


não que isso torne de alguma forma diferente, dissemelhante, diverso, aquilo que sinto por ti.

o chão é apenas o que nos permite caminhar, conhecer outros pisos que não o nosso. e eu até gosto que o chão que pisas seja diferente do meu. assim podes-me ensinar a ver o teu chão, como eu te quero ensinar a ver o meu.

caminhos que se cruzam, pontos de convergência em movimento.