28 de fevereiro de 2004

não te posso dizer o que se passa comigo hoje.


há perguntas às quais nem eu tenho resposta.

27 de fevereiro de 2004

o que eu gostava de viver num país (não tropical) mas onde nevasse pela manhã e pela tarde (com o frio que tem estado, bem que podia nevar!)


mais um exame por fazer...


já sei que o look do speech...dream mudou. já toda a gente mo disse (como se não tivesse sido eu a fazer a mudança!)

que está mais "happy", mais "pink", que não combina comigo, que está bem, que está mal...

anyway

está diferente. eu estou diferente. hoje é dia de balanço (devia fechar pra balanço e tudo!)

primeiro semestre: desgraça em termos profissionais...

espero não ficar mais um ano...

26 de fevereiro de 2004

pânico...

daqui a trinta e cinco minutos, o terceiro round de psicossociologia da comunicção.

pânico,

não consegui estudar tudo.

bolas, vou chumbar novamente.

25 de fevereiro de 2004

ontem fomos (eu, a joana e o brasil), tomar café. e o que era um simples café no piolho, o mais famoso café de estudantes, acabou por ser uma conversa tardia, e surpreendente, íntima e divertida, à volta das mesas-com-coisas-dentro do pink, sentados em puffs, conversando como se aquela noite fosse decisiva para acertarmos ideias. para ensinarmos um pouco de nós a cada um.


falámos do "instalação", o nosso bar que eu baptizei num flash luminoso, falámos da decoração e do queríamos fazer. de chocolate quente e de dinheiros. de casa velhas e casas novas. de quartos pequenos e quartos grandes. de amores e discussões. de posições na vida e de segredos bem guardados. de lados luminosos e lados obscuros. da sociedade e de crianças. de educação e fobias.


falámos da música do super-homem (que ninguém se lembra qual, e canta, inevitávelmente, a do indiana jones ou do esquadrão classe a, essa série mítica!)


foi uma boa noite, em que os espíritos se elevaram e as consciências pesaram por não termos estudado nada...

logo à noite, bacalhau à brás em minha casa.

exame amanhã à tarde...

e seja o que fôr...

23 de fevereiro de 2004

repito:

"sem ti
as coisas são menos coisas
os dias são menos dias
as noites são menos noites
"


não me faças perguntas às quais eu não quero responder... não que não conseguisse adivinhar uma respostas mas porque essa resposta não me serve. como um par de calças que deixa de servir porque as pernas estão demasiado compridas.


os dentes a raspar no garfo
o "está bem" a qualquer ocasião
o "eu sei" da sabedoria (que é tão pouca)
o nariz impinado de quem não dá o braço a torcer
o "eu sei que tenho razão"

(será que me esqueci de alguma coisa?)



e, acima de tudo, os obstáculos que não o serão.

21 de fevereiro de 2004

apesar das notícias menos boas...


sim, a minha cara é de felicidade. e sim, estava feliz quando disseste "tens uma cara tão feliz". porque estava.

não tirei nenhuma fotografia (reparaste...). mas não foi preciso. tenho-te em mim. tão presente como os dias frios que estão. sinto já a falta de acordar contigo, os vinte minutos que antecedem o abrir os olhos. o teu corpo procurando o meu, adaptação à anatomia.

o beijo molhado de quem precisa ir... a cama vazia de quem fica à espera...

os dias esvaziam-se de ti.




o que sei: poucas verdades. como a tua barriga ser uma praia de areias brancas.

10 de fevereiro de 2004

bom, após vários dias de estudo, de um chumbo confirmado e de desistir de um exame (mesmo agora) acho que é oficial: estou desanimada...

as coisas não estão a correr pelo melhor e estou com algumas (muitas) dificuldades em me organizar e trabalhar afincadamente no que deveria.


tenho (muitas) saudades tuas e faltam-me imagens que consigam colorir os meus dias. preciso de algo bonito ante os meus olhos.



preciso de ti também...

1 de fevereiro de 2004

ok, é oficial... tou a dar em doida... com tanto trabalho para fazer... como é que eu me meto nestas coisas? aproxima-se o fatídico mega exame. será daqui a 24 horas precisamente...


ahhhhhhhhhhhhhhhhhh tou a entrar em pânico!