6 de março de 2004

ainda não saí hoje de casa... o que é, no mínimo estranho... deixaram-me dormir como já não dormia há muito (aparte do teu telefonema...). acabei por faltar a um café, uma tarde vazia por aveiro. em vez disso, estive por casa... estranho, no mínimo estranho.

estou a preparar-te uma surpresa...