12 de setembro de 2004

estou apática...

não sinto nada.
nem o múrmúrio do frio nem os gritos de sol por entre os rasgos de nuvens.

espero que voltes.

que o tempo volte atrás e eu me encontre sentada, no fim do dia, em frente a uma janela que me deixa voar. a música pela sala, uma voz cálida que me enche a noite e a madrugada.

conhecer-te.

falar contigo à janela, olhando o mar e a lua cheia por cima dele. dizer-te que, o que precisas é de cá vir, olhar o que eu estou a olhar. e chegares. e não ver mais que os teus olhos. mão no joelho.

reconhecer-te.

Sem comentários: