31 de outubro de 2004

claro que me vou esquecer disto. como me vou esquecer, novamente, da cor dos teus olhos (é mentira. desta vez olhei bem para eles e repeti para mim mesma "castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, castanhos, ")

mas vou-me esquecer disto. como me esqueço de coisas que escrevo e reencontro, meses mais tarde, no fundo das gavetas, entre papéis sem nenhuma importância, recibos e apontamentos de aulas que também não lembro. mas claro que me vou esquecer disto. disto e de muitas mais coisas que escreveste.

porque às vezes, escreves mais que aquilo que queres. escreves demasiado cedo, o que ainda não é para se dizer.

não esqueço mais a cor dos teus olhos. prometo.

28 de outubro de 2004

é como a história do principezinho e da raposa... (um dos clássicos!) preparo o meu coração para as duas e meia da manhã de terça-feira. ou de quarta, ou qulquer que seja o dia útil de tua vontade, para me ligares.

construo mensagens que escrevo em post-its e espalho pelo quarto. esfrego os olhos de cansaço.
visito esplanadas habitadas pelo sol de fim-de-semana, pelo ócio do jornal e de um café. o mar ao lado. dunas reconstruídas pelas mãos dos homens. e tu de pernas cruzadas, a explicares-me porque é que as intimidades são assim. tão simples como uma troca de sabores.

22 de outubro de 2004

azure ray
ACROSS THE OCEAN

now i've travelled across the ocean
with the same shoes just longer hair
(...)
just give me some kind of sign
is this the right place
or the right time





doem-me os olhos. cansada. não me lembro da última vez que adormeci no torpor da viagem até casa. mas cheguei. cheguei apesar de não saber se é este o local ou o tempo certo para chegar.
passo pelos dias adormecida. arrastando-me pelas ruas, ao sabor do vento dos últimos dias, da chuva que só parou estes dois últimos dias.

emprestei os meus cds das azure ray... já me faziam faltas as suas vozes etéreas. não sei que música delas te mostrar. porque quase todas são de ir às lágrimas.

se adivinhasses aonde vou passar este fim de semana, poderias visitar o quarto em chamas...




mais fotos deste amigo, aqui


mas há pegadas que só a areia consegue guardar...

15 de outubro de 2004

quero emails que não de uma tal "Citinha", cheios de publicidade e da "HCP.hugocorreiaproducoes", cheios de vírus...

quero um email teu. mas isso não era pra dizer aqui...

14 de outubro de 2004

música de fundo azure ray - burn & shiver - 01 - Your Weak Hands

por vezes apetecia-me violentar-te. sacudir-te os ombros e cansar-te os olhos. até que os fechasses com força. com a força com que me abraças o corpo. com um só braço. prendendo-me a respiração.

o nevoeiro na estrada. o caminho sinuoso. alta velocidade a 120 km/h (só?)
novas tecnologias. imagens em movimento.

quero encontrar-te casualmente. numa esplanada cheia de luz
trocar algumas, breves palavras. perguntar-te se me achas diferente de há cinco minutos atrás. acompanhar-te a casa. violentar-te. sacudir-te os ombros e cansar-te os olhos. até que me abraçasses como me abraças. com um braço só. prendendo-me a respiração.





"i never expected you to love me,
the way i loved you"
azure ray - burns & shivers - trees keep growing


2 de outubro de 2004

i don't touch you the way i used to

but listen and think when i
say

who makes you feel the way i make you feel?



coisas do dia a dia.
como o acordar com o quarto cheio de música. melodia que se infiltra primeiramente nos músculos, depois no sorriso e, finalmente, nas pálpebras.
apertos no coração como se um fino cordel a ele se atasse e, ocasionalmente (no compasso do pensamento de ti), se apertasse ao coração como se dele dependesse.

deverias parar um pouco e ouvir o que tenho para te dizer. ver os filmes que listei para te mostrar e ouvir, ao nascer do dia, as músicas que escolhi. ainda que sejam muito longas (mais de 4 minutos cada!), ainda que já as conheças de cor, como se o teu e o meu dia fossem iguais.

coisas do dia a dia
parar para ver uma borboleta morrer na borda do passeio.


foto da .j.