16 de janeiro de 2005

não caibo nesta página, neste espaço, neste post!

preciso de correr até me cansar

13 de janeiro de 2005

cinzento

não tenho notícias.
nenhumas. nenhumas mesmo. só que hoje me sinto adoentado e a cabeça não pára de doer...

provavelmente é do tempo que, de repente deixou de estar tão frio para chover uma chuva miudinha, todo o dia, sem que o sol apareça.

o tempo anda cinzento e eu também.

7 de janeiro de 2005

falta-me uma palavra tua

não consigo escrever em cadernos grandes. pedem de mim um estilo, uma
organização, que me é exterior. estranha.

falta-me uma assinatura tua, a tua letra desenhada algures, uma foto
tua, algo de particular, individual. algo que me descreva um pouco de
ti.

falta-me algo teu. palpável. que eu possa tocar enquanto me falta uma
palavra tua.

falta-me uma composição tua. pensamentos espontâneos, um gesto frontal,
algo de impensável, algo de inevitável.

falta-me um dia teu.
201204

faltam-me coisas maiores. como uma espontaneidade tua. como uma surpresa (sabias que nunca ninguém me conseguiu fazer uma surpresa?).
falta-me dizer-te um recado que tenho para ti, num post-it, há muito colado na parede do meu quarto...

5 de janeiro de 2005

olá

que bom. que bom ter recebido uma mensagem tão boa! vinda de longe, de muito muito muito longe (de acordo com as distâncias que a minha agenda me dá, 4234 kms). uma mensagem da .j. a dizer k chegou bem, que manda beijinhos a toda a gente e que aquilo é lindo lindo lindo (a dupla repetição já é minha) :)


esqueci-me de uma data de gente este ano, de dar os parabéns a muita muita gente. portanto, aqui ficam as minhas desculpas... foi de uma série de coisas... foi que ando com a cabeça em água, a esquecer-me de tudo, a precisar de um choque vitamínico... preciso de apontar tudo, desculpem... preciso de notas e post-its para tudo.


até para dizer: olá.

4 de janeiro de 2005

hoje ando colada às paredes desta cidade. coso-me a esta paisagem, hoje solarenga, da cidade fumada, das ruas escuras e insalubres...

preciso da minha paisagem de mar e areia sem fim. preciso de sair daqui. fazer qualquer coisa. sair daqui.

e colo-me hoje às ruas, à calçada desta cidade, quase sem calçada portuguesa. coso-me aos passeios de cimento e esquadria quadrada.

coso-me ao Porto como se não tivesse (que não tenho mais) um porto seguro aonde regressar.

3 de janeiro de 2005

sdds

a .j. acabou agora, agorinha mesmo de se despedir de mim.
e o meu mundinho ficou um bocadinho mais pequenino.

há coisas que ficam sempre por dizer, entaladas na garganta. ou então,
não sabemos o que dizer e só mais tarde, muito ou pouco mais tarde, formulamos na nossa cabeça as palavras que gostaríamos ter dito. algo de memorável, algo de inesquecível, algo de marcante.

mas a .j. já é, por si só, marcante.

a primeira memória que tenho dela é a dizer "eu tenho sangue em casa!", numa ocasião em que planeávamos uma "actuação"...
a .j. ficou aí marcada como a mulher que tinha tudo. desde os adereços mais estapafurdios até às vestimentas mais antigas e engraçadas. se existia, a .j. tinha.

há episódios memoráveis das conversas da .j., com a .j..

e é por isso que eu vou ter, que tenho já assim, muitas muitas muitas saudades. das conversas, da companhia, dos sorrisos e das gargalhadas. de irmos a exposições, das fotos dela, dos chocolates quentes e das histórias dela. não que as notícias acabem, ou mesmo o contacto. mas a .j., por estes tempos (que se querem breves) não vai estar por cá para irmos ao chocolate, ao chá... e mesmo planearmos idas a lisboa...

por isso, nos próximos tempos... enquanto não vou eu aí, vou ter, tenho já, saudades tuas miúda...



by brasil

2 de janeiro de 2005

2005

e agora que 2005 chegou.


não me parece que já esteja num novo ano.
sonhei que estavamos ainda no dia 31 e que o ano ainda não tinha passado. e que não passava. e que ficávamos sempre no dia 31. mas não era aflitivo, não. era um dia normal. mas a data parava. nós continuávamos a viver mas, a data do calendário era sempre a mesma...
de facto, para mim a passagem de ano é só mais um dia, um número diferente no fim da data.

muitas mensagens neste fim de ano. algumas surpresas...
mas já estou de volta. de volta ao trabalho, ao dia que não te tem...



estou num dilema mas não me apetece falar-te disso...