31 de julho de 2005

procuro-te

Mário Cesariny

de profundis amamus

Ontem
às onze
fumaste
um cigarro
encontrei-te
sentado
ficámos para perder
todos os teus eléctricos
os meus
estavam perdidos
por natureza própria

Andámos
dez quilómetros
a pé
ninguém nos viu passar
excepto
claro
os porteiros
é da natureza das coisas
ser-se visto
pelos porteiros

Olha
como só tu sabes olhar
a rua os costumes

O Público
o vinco das tuas calças
está cheio de frio
e há quatro mil pessoas interessadas
nisso

Não faz mal abracem-me
os teus olhos
de extremo a extremo azuis
vai ser assim
durante muito tempo
decorrerão muitos séculos antes de nós
mas não te
importes
não te importes
muito
nós só temos a ver
com o
presente

perfeito
corsários de olhos de gato
intransponível
maravilhados maravilhosos únicos
nem pretérito nem futuro tem
o estranho verbo nosso



procuro-te durante o dia, noite dentro. espero pela tua gargalhada, as tuas caretas e brincadeiras. o teu 'lá, si, dó, a nota que for.

escrevo-te recados mentais, pequenas notas que deves esquecer. curiosidades desinteressantes do meu dia.
procuro verbos novos para esboçar contornos mais precisos para melhor definir o tempo real que vivemos. procuro não me afastar do tema central, dispersar a minha atenção, como, pelos vistos, tenho tendência a fazer nos exames (sim, que uma nota maior, ainda que negativa, é sempre um incentivo, não?)...

anseio o passar do tempo.


28 de julho de 2005

hallelujah

de férias... finalmente de férias neste ano para esquecer.

como quando os discos de vinil costumavam riscar e ficávamos sempre a ouvir o mesmo acorde.
finalmente o mundo volta a empurrar-me para a frente.

detesto esta semana. esta última semana de julho em que entro de férias. mas que ainda não me sinto de férias. ainda com o sentimento de uma rotina devida. ainda sem conseguir disfrutar de ter todo o dia para mim. para não fazer nada sem sentir um peso na consciência.

finalmente de férias e acordo sempre com a sensação de que algo me falta fazer...

nunca mais volta o calor...

25 de julho de 2005

i'm a fool

como se o mundo se desequilibrasse quando passasses.
ou quando mudas. de dois em dois dias, mais rápido que o ciclo da lua. dizes que mudas. que estás diferente. desafiando-me veladamente para que o comprove.
quando ainda nem sequer te apercebeste - e eu que tanto tenho tentado explicar - que já nada disso me importa. que já nada disso me move.
que o que tinha dentro de mim foi morrendo. como o manjerico que eu comprei e que morreu tão cedo, apesar de todos os meus cuidados para que sobrevivesse a este calor de incêndios...

in spite of all the damage (aqui)

ainda aqui estou, in spite of all the damage.
mudada. não como a lua, não como tu, em dois dias, mas em anos. mudada. já sem calções e joelhos esfolados.
mudada. com sorrisos que não conseguirias arrancar (não sabes dizer os "lá lá's" que me fazem sorrir com sorrisos de sol e claridade).

é tão estranho como os membros param de crescer e nós continuamos. vejo o corpo a alongar-se para além dos limites físicos onde se inscreve.

e é tão bom este sol. este claro dia onde me inscrevo como se fizesse parte integrante do céu azul.

obrigada

19 de julho de 2005

... changing...

a mudar... as coisas parecem ter dado a volta e estar a correr melhor... pelo menos, depois desta curva apertada que foi, que está a ser, este mês, já se consenguem distinguir alguns contornos. no fundo no fundo, alguma claridade.

quanto mais não seja, daquela que tu trazes sempre escondida nos bolsos do casaco (aquele que parece o vermelho mas não é vermelho) ou nas palmas das mãos. ou ainda nos olhos...

mas a mudar. como se os dias realmente tivessem alguma diferença entre si e não me parecesse tudo igual...

pelo menos as noites já são mais tranquilas. bem dormidas. sem pesadelos nem sonhos agitados....

changing....