29 de setembro de 2005

like papercuts

não te saberei responder se me perguntares o que se passa comigo.

aliás, os olhos que viste ontem não são os meus olhos (obrigada por teres reparado) mas não te saberei responder o que ser passa comigo numa só frase. em palavras e conjunções de letras.

poder-te-ia mostrar se o que se passa fosse desenhável, ou fotografável, possível de descrição exacta, restrito em contornos firmes de tinta.

visto devagar e novamente este sobretudo de malha de aço, como antigo cavaleiro, uma cota de malha que me proteja dos golpes do aço...

ponho um pé em frente ao outro... um ensaio de andar no arame...

Esta manhã comecei a esquecer-me de ti.
Acordei mais cedo que nos outros dias
e com o mesmo sono.
A tua boca dizia-me "bom dia" mas não:
não o teu corpo todo como nos outros dias.
As sombras por aqui são lentas e hoje não
comprei o jornal: o mundo que se ocupe da
sua própria melancolia.
ontem. há uma semana. há muitos meses.
um ano ensina ao coração o novo ofício:
a vida toda eu hei-de esquecer-me de ti.

* Rui Costa, in A Nuvem Prateada das Pessoas Graves,
Prémio Daniel Faria 2005 (o primeiro a ser atribuído),
Edições Quasi



ainda não... ainda não digo isto...

Sem comentários: