14 de dezembro de 2005

quero-te. como sempre te quis.
e repudio-te.

poemas que não nascem. falta-me água para beber.

falta-me fechar os olhos e fugir finalmente.

Sem comentários: