31 de março de 2006

i don't live here anymore




deixar o porto num adormecimento dos sentidos. conhecer cada rua pelo nome (rua da fábrica, mártires da liberdade, rua da torrinha, júlio dinis, boavista, o molhe...)

conhecer cada recanto pelo cheiro (até as ruas que cheiram a verão)... saber quais os caminhos mais perto para chegar ao meu destino... conhecer a cidade como a ti. com fome de conhecer mais... tentar os limites da compreensão...

nunca se conhece ninguém inteiramente. e eu não te conheço inteiramente meu porto de abrigo. e haveria ainda tantas coisas a descobrir... dormir sob o teu céu e nunca saber o que o amanhã me reserva...

e agora porto? como nos vamos amar novamente?


22 de março de 2006

porque eu ainda sou pequenina e caio ao chão...

as memórias que o corpo comporta...

o calor de um outro corpo encostado ao nosso... chuva lá fora e calor cá dentro.

lentamente deixo para trás pequenos pedaços desta pele que é a minha.
lentamente o início de uma outra vida, diferente, mas ainda assim, minha.
e tenho medo sim, um bocadinho de medo. daquele que nos aperta a barriga e me dá sempre vontade de ir à casa de banho...
falta-me um aconchego. afastares-me o cabelo da cara (esconder-me é o que eu faço melhor) e dizeres-me que tudo vai correr bem...


dá-me a mão...
eu ainda sou pequenina e caio ao chão...