13 de maio de 2006

falling

"Fall into you, is all I seem to do
When I hit the bottle
‘Cause I’m afraid to be alone

Tear us in two, is all it seems to do
As the anger fades
This house is no longer a home

Don’t give up on the dream,
Don’t give up on the wanting
And everything that’s true
Don’t give up on the dream,
Don’t give up on the wanting

Because I want you too

Stumble into you, is all I ever do
My memory’s hazy
And I’m afraid to be alone

Tear us in two, is all it’s gonna do
As the headache fades
This house is no longer a home"

placebo
meds
because i want you




quando acordo desorientada, numa cidade que não me conhece. numa cidade que nunca ouviu falar de mim. quandoa luz da manhã me fere os olhos ou o vento sacode a minha janela à noite.

as manhãs de olhos raiados de sangue. a minha vida, raiada com os traços que baptizo com nomes de autoestradas. a rodagem do meu corpo. os quilómetros da minha vida.
os dias que não passam. as coisas que não correm como o previsto.

e se...
e se....

e se as coisas fossem de outra maneira? e se pudesse esticar a mão e tocar-te... e se esticasse a mão e nunca te encontrasse?

à medida que o tempo passa as coisas não ficam mais fáceis. deviam ficar, toda a gente pensava, quando era pequena, que as coisas ficavam mais fáceis com o passar do tempo, quendo fôssemos crescidos...
falta-me tempo no visor do relógio. os ponteiros só dão duas voltas de cada vez e os números só marcam até doze.

e se os dias pudessem ter mais tempo
e se te pudesse tocar em todo esse tempo.....

Sem comentários: