25 de agosto de 2006

começar

sem nada no horizonte por enquanto ... os dias que passam vazios e monótonos...

falta-me tanto do que eu era. tanto do que éramos quando havia gargalhadas. faltam-me as gargalhadas. é isso....

e o verão morre à porta de minha casa.

23 de agosto de 2006

(a)braço

estreito os braços.

olho para as mãos abertas, os braços que se estendem...


falta-me um abraço

1 de agosto de 2006

gifts


há presentes que vêm sem que esperemos. e são os melhores...

e tesouros guardados nas palmas das mãos... às vezes há que abrir as mãos... let go.