26 de dezembro de 2008

ai pai natal...

já te disse que gosto mesmo de ti?

a deixares-me delícias destas debaixo da árvore, para o ano que vem, em vez de leite e bolachinhas deixo-te é um cafézinho à maneira ao pé do meu sapatinho!


12 de dezembro de 2008

telegrama

a todos que esperam noticias minhas... finalmente acabei os trabalhos. prometo noticias longas apos este curto intervalo para ir ali ao pub comemorar (ou esquecer... que venha o diabo e escolha!).

30 de novembro de 2008

questão pertinente (desta vez num teclado português)

porque é que, com tanto trabalho para fazer, fiquei doente logo agora?
pior ainda... doente como não estava há anos...

24 de novembro de 2008

questao pertinente (num teclado ingles)

porque e que isto so abre DEPOIS de eu ter saido da freguesia, do concelho, do pais?!

para o mes que vem... ai para o mes que vem...

23 de novembro de 2008

13 de novembro de 2008

aaaaaarghhhhh

e o que é que eu faço quando descubro que o damião arroz esteve mesmo ao meu lado a tocar (apesar do concerto ter sido há dois dias e "mesmo ao meu lado" ser uma forma de expressão)???


dou graças que os bilhetes eram 44 tiros de calibre libra...

a vida dos outros

ganhou um óscar e foi um daqueles (há quem diga raros) muito bem ganhos.

fez-me levantar às três da manhã para escrever isto portanto... incrível.



o trailer não lhe faz jus mas realmente,não poderia ser doutra maneira...

4 de novembro de 2008

liberdades

hoje é dia de eleições. logo, directa em frente à tv, uma data de europeus a olhar para o outro lado do oceano.

it's (we'll hope) an Obama party



cadernos antigos

pedaços de corpos
mãos e pernas
ombros
o suor salgado
ácido na língua
sem que consiga saber
qual destes é o teu e o meu sabor
o teu pé (perfeito)
junto à minha boca quando viro a cabeça
o calcanhar vermelho
a pequena ferida de sapatos novos
o sangue na ponta da língua
o corpo que estremece num ardor
a inspiração entre dentes
espreitas-me entre o amontoado de corpos
mãos e pernas
ombros
sexos
com o teu e o meu sabor
confundíveis
o teu olhar sobre a pele
sobre as curvas de uma cidade
inteira que nos separa
e nos come enquanto respiramos
o calor dos prédios
pintados em cores vivas
o teu calor que não sei
se não será antes o meu
por pernas e braços
e mãos
e ombros.
morde-me aqui
para que me sinta qual destes corpos
é o meu
morde-me com mais força
para que saibas qual destes ombros
é afinal o meu
magoa-me. prende-me.
sussurra-me obscenidades ao ouvido
mostra-me qual destas vidas é afinal a minha.

31 de outubro de 2008

pormenores de londres

o "olho"

render da guarda em Horse Guards Parade

mercado de notting hill

carros de gelados
jardins da tate modern

(a propósito, ontem à noite vi raposas aqui perto de casa)

28 de outubro de 2008

batem leve levemente

e foi mesmo assim que eu olhei para fora da janela e vi... que estava a NEVAR!!!! sim, já sei, tenho 25 anos e pareço uma miúda mas nunca tinha visto nevar. neve só na serra da estrela e no chão. mas aqui.... aqui que até nem costuma nevar.... olho para fora da janela quando deixo de ouvir a chuva e o que vejo? flocos brancos e flutuantes.

já fui meter o nariz na rua duas vezes, já escorreguei e liguei a toda a gente que o meu saldo permitiu.

tá a nevar.... :D


Discover Dean Martin!

27 de outubro de 2008

"não compreendo porque nos perdemos se a cada passo te encontro"

"Amo-te tanto que te não sei amar, amo tanto o teu corpo e o que em ti não é o teu corpo que não compreendo porque nos perdemos se a cada passo te encontro, se sempre ao beijar-te beijei mais do que a carne de que és feita, se o nosso casamento definhou de mocidade como outros de velhice, se depois de ti a minha solidão incha do teu cheiro, do entusiasmo dos teus projectos e do redondo das tuas nádegas, se sufoco da ternura de que não consigo falar, aqui neste momento, amor, me despeço e te chamo sabendo que não virás e desejando que venhas do mesmo modo que, como diz Molero, um cego espera os olhos que encomendou pelo correio."

* António Lobo Antunes,
in Memória de Elefante,
publicações Dom Quixote
leituras passadas que me surpreendem quando menos espero

24 de outubro de 2008

1984 (ou como o Orwell não era um gajo tão original quanto isso)*

*quem não está familiarizado com essa brilhante obra que é o 1984 , que o vá ler que só tem a ganhar!

ora comecemos por Orwell... sou uma fã confessa do 1984 (e do animal farm mas esse, para este post, não risca nada). sempre achei que era um livro emblemático e definitivamente progressista para a época em que foi publicado (1949).

mas, depois de um mês a viver no uk.... orwell, meu caro... já percebo de onde vieram as tuas ideias.

ora esta malta que não tem nem quer ter bilhetes de identidade (a rainha anunciou a introdução deste "método de controlo" em 2005 mas só vão começar a ser emitidos para o ano - decisão que levantou os ânimos e originou uma onda de protestos), tem câmaras em cada esquina, em cada rua, loja, transporte público, edifício, a plaquinha da CCTV lá está, a marcar a sua presença e a relembrar a tudo e todos que estão a ser observados (uma espécie de "sorria, estamos a vê-lo a comprar essa garrafa de rum e um pacote de pensos higiénicos").


e, estes tipos que não querem ser "controlados", têm umas formas geniais de o demonstrar. senão vejamos:

ocasião: tive de abrir uma conta no banco (depois de um mês de resistência)
cenário: depois de ter ido à sucursal errada ("sorry, international students accounts are only handdled in the branch X"), acerto com a sucursal e é-me dada para as mãos uma pasta com dois livrinhos que, segundo a senhora, tenho de preencher enquanto espero. e eis perguntas tão simples e "rotineiras" como "de onde vem o dinheiro com que vai abrir a conta?", "os próximos depósitos que proveniência terão?", "quanto dinheiro espera movimentar nesta conta durante o espaço de um ano?"... faltou apenas perguntarem-me se gostava de soutiens com ou sem almofadinhas e se quando era pequena a minha mãe me amamentou até ao primeiro ano.

mas lá preencho tudinho. sou chamada e comento com a gestora de conta que estava a tentar não abrir uma conta cá ao que ela se ri e diz "in the uk? impossible to live without an uk account". a senhora informa-me então dos meus deveres para com o banco e diz-me para voltar no dia seguinte, para me abrir então a conta.
e perguntam vocês, mas não foi na hora? não. não foi na hora. mais, sou ainda informada que, como sou estudante internacional, tenho de iniciar a conta com o dobro do dinheiro necessário do que se fosse inglesa. ou seja, por exemplo, em portugal precisamos de 100 euros para abrir uma conta... imaginem que eu aqui precisaria de 200 (que não é o valor... nem de perto nem de longe! lol) mas não preciso de dinheiro para abrir uma conta... apenas para a activar.

parece um contra-senso? parece. mas segundo os senhores não... ora vejamos.... eu abri uma conta sim senhora. já tenho um número atribuído e tudo. mas, para que esta esteja "activa", ou seja, para que possa fazer movimentações de dinheiro, preciso de lá por dinheiro E AINDA... de ligar/mandar sms/passar pela gestora a avisá-la de que o fiz. senão ela não me manda um cartão de débito.

ok... mas podiam ser só os bancos, certo? errado... senão vejamos: próxima paragem, british library.

ocasião: fazer-me "leitora" da biblioteca (vulgo arranjar o cartãozinho para entrar - sim que para entrar nas salas de leitura/chegar aos livros, é preciso um cartão)
cenário: british library, com 14 milhões de livros e muitos milhares doutras delícias do género (isto depois de ter aberto a minha carteira à entrada e ter deixado o senhor segurança olhar lá para dentro - para a próxima meto lá uma máscara sado-maso ou coisa do género)

ora chego e digo à menina que me quero fazer leitora. pergunta ela "para quê?" resposta óbvia "to see the books!". pergunta-me se tenho documentos comigo. respondo que sim. ok, diz ela, então vá ali para aqueles computadores e procure na nossa base de dados os livros que quer procurar. faça uma lista com os títulos e com os números das prateleiras e volte aqui.
ai o camandro, penso eu, então não vou poder ver tudo? então e se eu quiser livros diferentes!?
bom, mas lá fui pesquisar "uns três", como ela me disse.

volto à menina que me manda para outro pc fazer o registo como nova leitora. e o que me pergunta o pc? pois como me chamo, sim senhora, pergunta. mas também me pergunta quais os propósitos da minha visita (estive tentada a responder "quero aprender a fazer bombas caseiras"), qual a minha universidade, o que andava lá a fazer, quando começou e quando vai acabar o meu tempo por lá, etc etc etc... depois deu-me um número e mandou-me esperar.
um senhor chama-me, tira-me uma foto e pergunta-me pelos livros que eu queria ver. e lá percebi, aquilo é para guiarem as pessoas directamente aos departamentos que lhes interessam e explicarem os códigos que aparecem. menos mal!

explica-me ainda ele... "quando cá vier, tem de descer até ao bengaleiro e deixar os casacos lá. se vier com mochila ou carteira, tem uns cacifos onde pode deixar tudo. tem lápis?" pergunta idiota, pensam vocês... mas não! porque, explica-me ele, "na british library não podem entrar canetas! apenas lápis e computadores portáteis". devo ter feito uma cara assustada porque ele acrescentou logo em seguida "não se preocupe, temos uns sacos de plástico junto aos cacifos para que possa levar tudo consigo para cima!". ah bom, pensei eu, se têm sacos plásticos fico bem mais descansada!

portanto, só com estes exemplos... orwell meu caro... não foi precisa muita imaginação para a mania da perseguição/controlo/observação...

estes ingleses dão cabo de mim (e aposto que os gajos que vêm a cctv aqui da residência já sabem o meu tamanho de calças e tudo!)

16 de outubro de 2008

Hyde Park, esquilos e Outono




hoje foi dia de passeio (é o que dá ter visitas por perto). Hyde Park e os esquilos (confesso que, a primeira vez que vi um esquilo em Londres foi até perto da minha universidade e fiquei tão histérica que não sabia se havia de ir à aula se fotografar o esquilo - escolhi a aula... já estava atrasada e eles aqui não brincam em serviço!).

uma coisa que me maravilha aqui é o outono... e eu que nunca gostei de estações intermédias, descubro que gosto muito do outono aqui em londres (há quem diga que é porque antecipo um inverno gelado). mas aqui o outono é mesmo outono. está fresquinho mas não propriamente frio e as árvores têm tantas tonalidades quanto o espectro permite.
em portugal nunca gosto do outono... ainda está muito calor para casacos e a oportunidade de "chutar-folhas-pelo-chão-enquanto-caminho-despreocupadamente-pela-rua" verifica-se,no máximo, durante uma semana. aqui temos relvados de folhas caídas (podem-se até ver as folhas a cair calmamente) e passeios de folhas e ruas de folhas e isto apesar de haver senhores a recolhe-las quase todos os dias...


ainda não consegui que os senhores esquilos me viessem comer à mão mas da próxima vez levo uma noz a ver se seduzo algum... (as más línguas dizem que não são só os touros que têm aversão ao vermelho. eu digo que estava smashing!)

6 de outubro de 2008

nos ouvidos...

enquanto o domingo passa, cinzento e outonal, enquanto cheiro a roupa lavada e quente ainda...


Discover Cocoon!

29 de setembro de 2008

cookies

o meu bloco de apartamentos cheira a bolos.e não é como o outro que é mais bolos. cheira mesmo a massa e a canela e a doce. por baixo do bloco de apartamentos B (o meu), há um Tesco Express (muito útil quando às 10 da noite nos lembramos que ainda não temos sal) com pastelaria própria. isso quer dizer que, logo pela manhã, já dentro do elevador, já se cheira pão fresco (que apesar de ser muito mau cheira ao mesmo que o nosso) e depois, à hora de almoço, cheira já a açúcar derretido e a canela, abrindo o apetite para dentadas mais gulosas.

e depois o quarto, com a janela a pedir sol e luz e a cidade que me puxa a conhecê-la...

grab a cookie and go

26 de setembro de 2008

esta manhã

esta manhã, estava sol quando acordei.... e, o dia que se suspeita bom, acabou de melhorar!

Discover Róisín Murphy!

24 de setembro de 2008

ah e tal, cheguei!

sim, cheguei! não foi hoje mas também não interessa nada que o importante é que já cá estou e já tenho tecto.

sim, é verdade! a saga teve finalmente um fim e, parece-me, que satisfatório.

esta é a pracinha de onde apanho o bus para tudo o que é sítio (e acreditem que, nos últimos dias, tenho andado mais de bus que em cinco anos no porto!!!)o meu poiso é nessa rua da direita, no cruzamento. mesmo a seguir a esses telhados (o senhor não tinha uma lente boa o suficiente para o meu poiso :p)

mais notícias sobre eu estar a babar com a universidade, é só ligarem os telejornais. decerto que as inundações já são notícia ;)

22 de setembro de 2008

Go!

daqui a umas horas já estarei em londres... e depois.... depois não sei mas será muito bom de certeza absoluta!

i'll keep you posted! ;)

20 de setembro de 2008

Set...

a mala está mais ou menos feita... digo mais ou menos porque entre pesagens e mudanças de sítios da dita e de coisas e coisinhas que afinal ficaram de fora da mala e têm de se levar e de outras que vão, definitivamente ficar por cá, já passaram umas duas horas e ainda sinto que me vou esquecer de qualquer coisa importantíssima....

como uma web cam e uma cafeteira (eu sabia que me tinha esquecido de algo importante!!!)

já tenho saudadinhas...
espero-vos por lá!

19 de setembro de 2008

Ready.....

ora então em londres estão os módicos valores de 17/18 graus de temperatura... coisa "simpática" se considerarmos que os últimos dias em portugal são de VERÃO!!!

já estou mesmo a ver... primeira semana, procura de casa e constipação à minha espera...
sim, ainda estou à procura de casa... e sublinho o ainda... já me disseram que as estações de metro são sítios simpáticos para tirar uma soneca enquanto nos abrigamos da chuva :p

a mala já está aberta no meio do quarto, rodeada de montinhos de roupa que, supostamente, vão entrar lá para dentro...

e pronto... já está quase tudo pronto... últimas despedidas e aí vou eu...

(tá quaaaaaaase!!!!!!)

14 de setembro de 2008

apertos


e já só falta uma semana... o estômago começa a embrulhar-se na vertigem da partida. os jantares foram feitos... as despedidas também... ainda não há tecto em terras londrinas mas a data está marcada e portanto há que fazer as malas...

acho que me faltam umas galochas!

19 de agosto de 2008

dragões há muitos!

interrompendo a busca de um tecto em terras de sua majestade, fui ver dragões por lisboa (a prova de que dragões há muitos e de que não estão todos a norte).



nunca tinha ido ao oceanário, confesso... mea culpa, eu sei... mas aproveito estes dias de férias "forçadas" para colmatar todas essas faltas.
pelo oceanário lá estavam o eusébio e a amália conquistando fotografias e vídeos caseiros (que um dia ninguém terá paciência para ver). muita criança e muito bebé a achar mais fascinante as grades e o espaço para correr que propriamente a peixarada (havia até quem gritasse de terror ante o peixe-lua).

para rematar, um passeio de teleférico para completar o papel de turista que nunca veio a lisboa.

acho que só me faltam 450 pontos turísticos em lisboa para completar a ronda ;)

11 de agosto de 2008

cha cha cha cha changing

primeira mudança finalizada (pelo menos oficialmente!).

eu já devia estar habituada a tantas mudanças. a atirar com as tralhas para trás das costas e preparar-me para assentar arraiais noutras paragens... mas, novamente, admiro-me com a quantidade de tralha que uma pessoa acumula. e, desta vez, foram "só" dois anos!

e agora preparo-me para o grande salto. de olhos bem abertos, preparo-me para a grande mudança.

mas, por enquanto, agosto arrasta-se (pouco calorento) pelos dias que me faltam por cá...


Discover David Bowie!

28 de julho de 2008

countdown

os dias começam a acelerar.... e eu começo a acreditar que isto vai mesmo acontecer (apesar de já saber que sim)...

esta semana começa o countdown. portanto, não há música mais apropriada que esta...


Discover Europe!

22 de julho de 2008

róisin

porque esta senhora me faz dançar e invejar o estilo dela em palco...

(e sim, eu usaria tudo o que ela usou no concerto e, se tivesse coragem, da mesma forma que ela usou!)




3 de julho de 2008

introducing.... london

agora que a poeira começa a assentar e que já me parece mais real que vou estar de visita aos país de sua alteza real por algum tempo (há quem diga que é pouco tempo, há quem diga que é uma enormidade de tempo que vai passar muito lentamente), há algo que tenho de ter sempre em mente....


24 de abril de 2008

love songs II

(só para se ir ouvindo a música também... ;)

love songs




Your Love Song Is



Sitting, Waiting, Wishing by Jack Johnson



"Maybe you've been through this before

But it's my first time so please ignore

The next few lines cause they're directed at you

I can't always be waiting, waiting on you

I can't always be playing, playing your fool"



You've been waiting for love, and you're not going to wait any longer!

22 de abril de 2008

ficam-se os anéis, vêm outros dedos

apesar de não te conhecer...

algo que se encosta, se imprime de encontro ao peito. com força. incontornável, algo que me força as costelas.

procuro movimentos comuns. as mãos na água, tornando-as ásperas. inaptas para qualquer gesto afectivo. a água quente sobre as mãos, deixando-as vermelhas de temperatura. os pulsos relaxando, deixando os dedos mais livres para dançar no ar, tecendo frases inteiras, usando os aros das letras como anéis. jóias de família que passaram de geração em geração. toda uma vida exposta nos dedos. anéis que ficam deixando marcas do tempo. noutras mãos, noutros dedos, uma história que não pára de crescer.

curioso como a escrita chega até mim.

19 de fevereiro de 2008

neutral


How evil are you?


então sou neutra... tipo bege ou cinzento? hummm.... interesting...... or maybe not ;)

15 de janeiro de 2008

ebay day ou a concretização do divórcio

após momentos de decepção, a dura realidade que é vermos as nossas expectativas, alimentadas por minutos, horas, dias, meses incontáveis de conversação, caírem por terra...

após gargalhadas e lágrimas, amizades e discussões, depois de anos de convívio, peço o divórcio. não foi uma decisão fácil. não foi uma decisão muito pensada, confesso. foi impulsiva até. mas, agora que olho para trás, vejo que os sinais estavam lá. estiveram sempre lá...

afinal de contas, as pessoas mudam... e, aprendi eu, a nokia também. portanto, ao fim de 8 anos de relação (caramba, agora que penso nisso, foi a relação mais duradoura que já tive!!) peço o divórcio. o meu querido nokia (já o quarto espécime) não estava realmente, ao fim de apenas um ano e meio, a corresponder às expectativas que eu tinha para ele. ele eram conversas que ficavam a meio, mensagens que não partiam, que não chegavam... enfim, todo um complot extremamente machista e castrador cujo objectivo, especulo eu, seria isolar-me do mundo e ter-me só para ele.

eu compreendo, sério que compreendo. eu também me quereria só para mim. mas como não sou pessoa de amarras castradoras e do que eu gosto é de falar e comunicar por aí e por acolá, deixei o meu nokinha e vivo agora uma paixão louca e quase assolapada por um samsung. sol de pouca dura, dirão alguns... mas estava realmente a precisar de uma mudança...

já sei que o meu nokinha ficou cheio de ciúmes quando o viu e se viu obrigado a entregar-lhe o meu SIM... mais esguio, mais leve, com um ar fresco e bem maneirinho, nem que o nokinha treinasse todos os dias no ginásio lhe chegaria ao cartão de memória!

portanto, ladies and gentleman, na sua apresentação à sociedade, aí está... o meu brand new (or almost)... u700 ( "u" é de prolongada admiração ;p)


e sim, este foi um ebay day até porque o u700 veio por lá (num leilão fantástico em 4 minutos, pura adrenalina).

mas, não foi um ebay day unicamente por causa do U... não... como bónus, hoje todos os vendedores do ebay decidiram mandar as paneleirices que temos comprado ao longo destes últimos dias. mas a melhor (tirando o U, claro) foi a shoebox do sexo e a cidade. uma verdadeira delícia, pechincha, maravilha que posso riscar da minha wishlist.

portanto, nos próximos dias, se quiserem saber de mim, procurem-me num local onde tenha rede e uns manolo nos pés ;)

3 de janeiro de 2008

not waterproof


"A minha roupa de repente
ficou com o teu cheiro"

Agora é
Manuel António Pina
Poesia Reunida





pouso suavemente as mãos sobre a mesa. o tampo já um pouco áspero.
memórias doutros lugares que quisemos conhecer à exaustão.

num tempo onde havia bastante mais luz, bastante mais frio, bastante mais ruas por conhecer. dentro dum tempo onde o recorte no horizonte era algo tangível.

( Whether you fall
Means nothing at all
It's whether you get up)

hoje há memórias à solta. um aviso logo pela manhã, nas notícias. e assaltam-me realmente memórias de lugares ínfimos cobertos já por espessas heras. o resguardo dos lugares que caem por entre as falhas da memória...

da minha memória
Does it piss you off
That you're not waterproof?


2 de janeiro de 2008

1985 going on 2008

sobre o novo ano que começou (dependendo dos casos, alguns estão em 1985, outros em 2008)...



e sobre as tradicionais resoluções de ano novo, repito a dose do ano anterior (já que deu bons resultados)