30 de novembro de 2008

questão pertinente (desta vez num teclado português)

porque é que, com tanto trabalho para fazer, fiquei doente logo agora?
pior ainda... doente como não estava há anos...

24 de novembro de 2008

questao pertinente (num teclado ingles)

porque e que isto so abre DEPOIS de eu ter saido da freguesia, do concelho, do pais?!

para o mes que vem... ai para o mes que vem...

23 de novembro de 2008

13 de novembro de 2008

aaaaaarghhhhh

e o que é que eu faço quando descubro que o damião arroz esteve mesmo ao meu lado a tocar (apesar do concerto ter sido há dois dias e "mesmo ao meu lado" ser uma forma de expressão)???


dou graças que os bilhetes eram 44 tiros de calibre libra...

a vida dos outros

ganhou um óscar e foi um daqueles (há quem diga raros) muito bem ganhos.

fez-me levantar às três da manhã para escrever isto portanto... incrível.



o trailer não lhe faz jus mas realmente,não poderia ser doutra maneira...

4 de novembro de 2008

liberdades

hoje é dia de eleições. logo, directa em frente à tv, uma data de europeus a olhar para o outro lado do oceano.

it's (we'll hope) an Obama party



cadernos antigos

pedaços de corpos
mãos e pernas
ombros
o suor salgado
ácido na língua
sem que consiga saber
qual destes é o teu e o meu sabor
o teu pé (perfeito)
junto à minha boca quando viro a cabeça
o calcanhar vermelho
a pequena ferida de sapatos novos
o sangue na ponta da língua
o corpo que estremece num ardor
a inspiração entre dentes
espreitas-me entre o amontoado de corpos
mãos e pernas
ombros
sexos
com o teu e o meu sabor
confundíveis
o teu olhar sobre a pele
sobre as curvas de uma cidade
inteira que nos separa
e nos come enquanto respiramos
o calor dos prédios
pintados em cores vivas
o teu calor que não sei
se não será antes o meu
por pernas e braços
e mãos
e ombros.
morde-me aqui
para que me sinta qual destes corpos
é o meu
morde-me com mais força
para que saibas qual destes ombros
é afinal o meu
magoa-me. prende-me.
sussurra-me obscenidades ao ouvido
mostra-me qual destas vidas é afinal a minha.