24 de dezembro de 2009

X-time

porque este ano passou demasiado depressa e de repente já é Natal (novamente). porque este ano já estive entre dois países, a estudar, a trabalhar. porque este ano está quase a acabar e eu nem me apercebi (e principalmente porque ainda não fiz uma única compra)...

música para entrar no espírito (ou o espírito entrar)

23 de dezembro de 2009



estávamos a jantar e alguém se sentou ao piano que estava quieto a um canto. eu perguntei-te se conhecias a música e se não achavas que talvez pudesse ser debussy... mas a música não passou dos acordes iniciais... logo veio um segurança que pediu para se parar a música. "já viu!?"- perguntava ele indignado -"e se outras pessoas também tocassem? já é tarde. música ao piano só pelo pianista de serviço e só até às 19h!"

sacrilégio! o rapaz do quiosque que se tinha atrevido no teclado, imediatamente repreendido. imediatamente posto no seu lugar. porque o seu lugar, pelos vistos, não era ali ao piano, tocando debussy enquanto jantávamos...

já viste o que perdemos?

18 de dezembro de 2009

dias portugueses

agora que pareço estar oficialmente de volta, que até já tenho um emprego e tudo... os dias tornam-se mais povoados, com cada vez mais palavras. inglês e português embrulham-se na minha cabeça. nomes, nomes e nomes. e eu que sou terrível a decorar nomes... mas enfim... cá ando eu por uma lisboa chuvosa e cinzenta com ares portuenses (agora até parece que vamos ter aviões a fazer piões por cima do teijo!)...

e uma música que me fez sorrir esta manhã...


28 de outubro de 2009

oito anos depois

este blog é o 18.º blog português mais antigo ainda em actividade - ainda que a actividade por estas bandas, nos últimos tempos, não tenha sido muita.

podem ver a lista aqui

28 de agosto de 2009

e se um desconhecido te convidasse para jantar? isso era........ Londres

londres tem-se revelado uma surpresa a vários níveis. uma das experiências mais surreais e mais desarmantes é, sem sombra de dúvidas, ser abordada no meio da rua - e atenção, não estamos a falar em situações do género bairro alto onde anda toda a gente na rua à noite a beber um copo e aquilo se transforma num bar ao ar livre mais que um bairro. não, estamos a falar em ser abordada no meio da rua, em plena luz do dia e ser convidada, por exemplo para jantar. a primeira vez fiquei completamente desarmada.

saia tranquilamente do autocarro perto de casa e, enquanto caminhava em direcção a casa, o rapaz que caminhava ao meu lado começou a falar comigo como se fala com um amigo com quem se caminha. "olá, és muito bonita, ah e tal, és de onde? ah e tal, posso-te pagar o jantar amanhã à noite?" foi um bocado surreal até porque quando ele começou a falar comigo, fê-lo de uma forma tão despreocupada que eu nem percebi que aquilo era comigo.

mas isso já foi há uns meses e eu pensei "pronto, tenho de levar com os maluquinhos até em londres!". isso foi há meses...

a semana passada, estava eu num dia de stress e neura (a combinação bombástica dos últimos tempos) com poucas horas de sono, olheiras até aos joelhos, cara de poucos amigos (vocês já sabem como é), phones nos ouvidos, a ouvir Rodrigo Leão, na minha, a ver as pedras da calçada e à procura de um sítio para almoçar quando vejo um rapaz a dar uma corridinha ao meu lado e a fazer-me sinais. lá veio a minha veia latina ao de cima e pensei "olha que giro, alguém que precisa de direcções, vou ser simpática que também gosto quando são simpáticos comigo". pus o melhor sorriso que pude, tirei os phones e diz-me o moço "olá........ desculpa tar-te a seguir mas........... eu sou o stephen......." e encolheu os ombros. tadinho... sério... fiquei com pena dele porque logo de imediato, a minha cara fechou-se e só lhe disse: sorry, i don't have time for this... e, de repente, o moço que me pareceu tão simpático, tão perdido, como se aquilo fosse a primeira vez que ele fazia aquilo endireitou-se e diz-me muito sério, Yes you do. fiquei indignada. olhei para ele e disse, olha, n é por nada mas tou com pressa, tenho sítios onde estar, pessoas pra ver... i'm not interested (o que eu devia ter dito era, i'm NOT that into you mas essas coisas nunca nos vêem à cabeça quando estamos com a neura).

e lá me fui embora, de novo com o rodrigo, deixando para trás o stephen tristonho e indignado porque o raio da gaja que nunca parece europeia e é sempre confundida com libanesa ou sul-americana (há quem diga que tenho ar de peruana mas eu juro que só faço glugluglu debaixo de água!), o deixou assim... especado perante uma tão espectacular abordagem.

a minha questão é: isto é normal? há gente que realmente arranja relações com este tipo de abordagem? ou há quem acredite que arranja relações com este tipo de abordagem? se calhar é uma coisa cultural e eu não percebo...

mas confesso... passado 5 minutos até fiquei com pena do stephen e com vontade de voltar para trás e dizer-lhe... man, desculpa lá, tiveste um azar do caraças que eu tou com uma neurose poderosa... mas não desistas que o ego feminino fica bem-disposto para o resto do dia com uma abordagem dessas... pode ser que alguém entretanto te dê trela mas eu realmente.... i'm just not that into you...

10 de julho de 2009

working table

como sempre, só consigo ser produtiva madrugada dentro.... devo ter um bug, não sei...

portanto, depois de organizar as minhas leituras todas nesse grande programinha que é o Endnote e de as separar por temas (dentro do possível)... era injusto não vos mostrar a minha mesinha de trabalho (.j., nem parece a mesma mesa onde jantaste no outro dia pois não?).

e sim, a mesa está um caos... mas eu também só me organizo no caos... (ah e os lenços de papel é porque acho que tou com a gripe dos porcos!)

2 de julho de 2009

investigate

pois é... ainda estou em terras lusas, às voltas com a minha investigação. quase me sinto uma CSI mas, em vez de um laboratório, ando pelas bibliotecas das universidades portuguesas. o que é um desafio porque nem todas estão abertas a utilizadores externos (o que eu acho incrível mas enfim...).
e cá tou eu, tentando descobrir como é que os portugueses se relacionam com a Internet e com a política online, como é o capital social português e como enrolar isto tudo num lindo novelo ao qual vou chamar "dissertação". lindo, não é?

o que me consola é que, enquanto Londres é assolada por tempestades de Verão por cá o máximo que há é vento ao estilo el niño. e assim custa-me menos o facto de estar fechada em casa ou numa biblioteca o dia inteiro a cabecear de sono... o que me vale é o ipod a soltar música própria para o estudo e sentimentos mais quentes para que isto se vá escrevendo no meu mini computador (que se habituou agora a ser presença constante na minha mala).

isto de fazer uma dissertação tem muito que se lhe diga...

um novo fôlego e vamos lá... mais dois meses e já está...

25 de maio de 2009

e eu que ainda tinha dúvidas!

.j., r, afinal é tão simples quanto isto! vejam, tomem notas e executem (que é como quem diz, ide e soprai!) :p


19 de abril de 2009

cup cakes

se há coisa famosa por estas bandas são os cup cakes. o verdadeiro encanto destes queques (sim, que são queques!) é a cobertura. e encontrei este tão bonitinho em camden. o verdadeiro cup cake 2.0!

7 de abril de 2009

bimba!!!!

eu sei que é moda, que custa os olhos da cara e mais um bocadinho e que há quem ame e quem odeie... eu só digo: eu quero uma bimby! mas não tenho sequer dinheiro para a comprar nem estaria disposta a fazê-lo se o tivesse portanto, resta-me esperar que alguma alma caridosa o faça por mim ou, a solução que eu gostaria mais, ganhar uma bimby num concurso qualquer!

é que a alemã (como uma querida amiga minha, que tem um bicharoco destes, carinhosamente, lhe chama) pica, rala, corta, bate, amassa, mói, tritura, pesa, emulsiona e cozinha (a vapor e sem ele). só não tira cafés porque a nespresso já se encarregou dessa parte e o clooney não ficaria tão sexy com um prato de sopa ou uns bróculos ao vapor como fica com uma chávena de café.

portanto, é torcer por mim rapaziada e esperemos que a bimby não se arme em bimba e me apareça, qual ovinho da páscoa, no meu jardim.

4 de abril de 2009

A Woman's Right to Shoes

em mais um episódio de "ah ah ah, como são os ingleses tão engraçados com os seus costumes"...

aqui, cada vez que alguém visita a casa de um inglês, é, invariavelmente, convidado a descalçar-se à entrada. não só porque muitas das casas têm alcatifa clara no chão mas porque já se tornou num hábito as pessoas descalçarem-se mal entram nos apartamentos. claro que isto quer dizer que se tem de ter muito cuidado com as meias que se usam.

esta noite, por exemplo, recebi um convite para ir a casa de uma amiga jantar. o convite dizia explicitamente "escolham bem as meias para poderem experimentar o novo chão de madeira".

cada vez que me começo a descalçar não consigo deixar de pensar no episódio do sexo e a cidade em que pedem o mesmo à Carrie, para se descalçar, e ela fica sem os sapatos.

e é por isso que eu mico logo qual par eu gostaria de gamar ao sair ;)

19 de fevereiro de 2009

nos ouvidos

para além da cera (:p) anda esta senhora a cantar-me e a fazer-me ter saudades a sério de me perder na noite...



e esta, só para o delírio

16 de fevereiro de 2009

amén e ao pai

entre a massa, os cogumelos, o franguinho e as natas acabei de ser alvo de uma tentativa de conversão na minha cozinha.

sim. uma das minhas colegas de casa tentou converter-me (não sei se já referi mas vivo com- ou pelo menos no início do ano era assim, entretanto já houve baixas - duas nigerianas, um sudanês, uma americana e uma espanhola).

do nada, enquanto saía da cozinha, perguntou-me "are you christian?" (por momentos achei que ela também conhecia o meu amigo Christian e ia-lhe dizer que sim, que o conhecia e que ele era um tipo impecável, voluntário, que fazia coisas incríveis pelo mundo fora).

lá lhe disse que sim, tinha sido educada enquanto cristã mas que essa não era uma questão simples nem linear para mim. e lá começou ela a tentar evangelizar-me... isto enquanto eu tomava conta do frango com cogumelos e da massa...

ainda lhe tentei explicar que era uma pessoa demasiado racional para religiosidades mas percebi que lhe ia ferir a sensibilidade, ela que é a única simpática cá em casa...

entre filosofia e dogmas, lá a tranquilizei que um dia, um destes dias iria com ela ouvir o pastor dela (sim sim, havemos de combinar isso!)

e lá vim eu com a minha massinha com franguinho e cogumelos, tudo muito pouco católico, ver o prós e contras sobre o casamento de pessoas do mesmo sexo...

12 de fevereiro de 2009

11 de fevereiro de 2009

fire alarms (ou como fazer figura de anormal às 6.30 da manhã)

e estava eu preocupada em acordar esta manhã...

seis e meia da manhã, toca o alarme de incêndio... já tinha acontecido uma outra vez (uma simulação) por estas bandas. a coisa dura sempre pouco tempo mas rapidez é essencial portanto calcei umas botas, casaco quente e cachecol e ala que se faz tarde.
tuc tuc tuc, escadinhas abaixo, aí vamos nós...

só que!!!!! the plot thickens.... não há ninguém (como é usual) da residência a esperar-nos.
o alarme continua alegremente a tocar enquanto os responsáveis aparecem, ainda mais abananados que todos nós (se é que é possível!) carro dos bombeiros... enfim.... uma loucura...

nem sequer vou tecer comentários ao facto de termos estado MEIA HORA debaixo de frio londrino (felizmente não chovia)... agora... banho quente, café e embora lá que o dia já espreita... muito menos me vou pronunciar sobre o facto de estarmos todos meio em pijama, meio vestidos (e sim, há pijamas bem feios e fininhos neste frio de Inverno...)


(e sim... o meu pijama tem o Mr. Daydream)

8 de fevereiro de 2009

maps


Discover Yeah Yeah Yeahs!


e a culpa é dela, que me relembrou o quanto eu adoro esta música (ouvida à exaustão, mouthed à exaustão no autocarro, com o volume no máximo)

2 de fevereiro de 2009

show the snow (or snow? show!)


depois de um óptimo fim de semana sempre a palrar português com a j e o r e a descobrir coisas novas em sítios já tão conhecidos em londres; depois de um fim de semana de galerias e quadros, maravilhas (do mundo e outras), como se poderia finalizar senão com neve?

Começou timidamente a cair durante a tarde. nada que durasse nos cabelos ou nas palmas das mãos. flocos quase invisíveis a redemoinhar ao vento. depois, ao fim da tarde... neve a sério. horas depois, o chão já se começava a cobrir de branco...


e hoje de manhã, apesar dos voos cancelados, da inexistência de autocarros, do metro estar praticamente paralisado... há um manto de branco que cobre londres.

agora recomeçou a nevar. não há quase ninguém nas ruas. ontem há noite, nas ruas desertas, houve lutas de neve, gente a tentar reunir branco suficiente para um boneco de neve e muita gente a tirar fotografias. (as fotos são. a vista do meu quarto ontem à noite e esta manhã...)

28 de janeiro de 2009

os britons

os ingleses desejam bom ano novo apesar de estarmos no fim de janeiro, a toda a gente que não tenham visto entretanto (o que significa que, virtualmente, poderemos estar em agosto e eu arrisco-me a ouvir um "happy new year!" de alguém que não veja há muito).

os ingleses tornam o uso de uma camisola de gola alta (vulgarmente usada em terras lusas, no inverno, com outra camisolinha por baixo) impossível dentro de qualquer edifício.

os ingleses já tinham saudades minhas (e eu deles!)

9 de janeiro de 2009

london london

quase de regresso a londres... e o frio que se faz sentir por aqui parece estar a "empurrar-me" para norte, para o tempo que se faz sentir em terras de sua majestade...

e, parecendo que não, tenho saudades de londres...
vai-me fazer bem regressar...