16 de novembro de 2010

foi totalmente inesperado. como são todos os choques.

o autocarro estava cheio. a dez metros do sítio onde era suposto parar. na paragem onde parei tantas vezes - para subir a rua inclinada que me levava a tua casa. uma pequena travagem e o choque. a surpresa. corpos projectados para a frente. um grito colectivo para, logo a seguir, dar lugar à indignação.
foi totalmente inesperado.

como são aliás, todos os choques.

horas mais tarde, no regresso a casa, foi como se nada ali se tivesse passado. o pavimento não guardava nenhuma memória do acidente. e, como sempre, surpreendi-me com a efemeridade.

como a minha imagem nos teus olhos.
surpreendentes os choques.
sempre.

1 comentário:

gui disse...

já não te lia há muito muito tempo.
gostei muito!