27 de junho de 2014

o corpo sabe bem a quem pertence. braços e pernas na devida proporção. uma suspeita que vem debaixo da pele, impressa directamente na carne. porque é de carne que falamos. o corpo sabe a quem pertence. a identificação do outro, mesmo ao longe. os braços que se tocam, as pernas que se aproximam. o teu peito procurando o meu. a tua boca tão perto.

sabes bem onde me encontrar. só falta que me procures.

17 de junho de 2014

Help, head. Help heart.
Lydia Davis, Varieties of Disturbance

stop jumping

não há escrita que nos salve. não há tempo que cure tudo. tenho cicatrizes onde anteriormente descansavam as tuas mãos. procuro novas formas de rasgar o corpo, separá-lo em compartimentos estanques, facilmente geridos. torno-me na minha própria senhora, dando ordens a órgãos individuais para que trabalhem. concentro-me nesta tarefa, que me torna soberana de mim própria. ocupo o tempo com calendários, agendas ocupadas para quando o estômago pode ou não funcionar, para quando o fígado pode parar a produção diária de um litro, nem um centilitro a mais, nem um a menos. rasgo o corpo em diferentes partes para que ninguém, nem eu, as possa tocar todas ao mesmo tempo.

You don't think before you jump
é esse o problema...